sexta-feira, 6 de julho de 2018

presente do poeta Evandro

QUERO

Quero o calor dos teus lábios
E te apertar contra o meu peito
Todo o teu cheiro de ti roubar
E transferi-lo para os meus pelos
Quero sentir-te e impregnar-me
Beber tua fonte e me fartar
Me saciar e após repousar
Neste teu ventre de mulher
Guardando o tudo desta hora
Desfalecidos, tu e eu
(EB) O POETA DAS ROSAS

sábado, 30 de junho de 2018

ATENDENDO À PEDIDOS:
- DA DIFAMAÇÃO - Artigo 139 do Código Penal
ARTIGO 139: Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:
- PENA – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
Parágrafo único: A exceção da verdade somente se admite se o ofendido é funcionário público e a ofensa é relativa ao exercício de suas funções.
- CONCEITO: Difamar é imputar falsamente ou não, fato ofensivo à reputação alheia.
Objetividade jurídica: A objetividade jurídica imediata é a tutela da honra, e a mediata é o respeito à personalidade.
Ou seja, visa proteger a honra objetiva (reputação, boa fama, a maneira como é conhecido pela sociedade).
- SUJEITO ATIVO: Qualquer pessoa. Trata-se de crime comum e unissubjetivo. A pluralidade de agentes implica em concurso eventual.
- SUJEITO PASSIVO: A pessoa humana no gozo de suas faculdades mentais pode ser vítima de difamação.
Doentes mentais e crianças: Em tese podem ser sujeitos passivos do crime de difamação porque são dotados de honra objetiva.
Em primeiro lugar, discute-se a possibilidade dessas pessoas a serem vítimas de difamação, tendo em vista não entenderem o caráter ofensivo da agressão.
São vítimas, pois toda e qualquer pessoa é dotada do atributo da honra. Ou seja, proteção do bom nome e do conceito social.
Pessoa jurídica: A pessoa jurídica possui reputação, de modo que os fatos desabonadores podem estremecer o bom conceito que goza junto à sociedade, macular a honra objetiva, objetividade jurídica da difamação.
Pessoas desonradas: Não existe pessoa absolutamente desonrada.
- TIPO OBJETIVO: Difamar, que significa tirar a boa fama, infamar.
O tipo não exige a falsidade ou veracidade do fato imputado. É suficiente a descrição de um fato e que seja ofensivo à reputação alheia.
Imputar fato não se confunde com lançar pecha, adjetivo. Imputar fato exige a descrição das circunstâncias em que a conduta se realizou, em linhas gerais, quem, quando, onde e como. O segundo implica em assacar uma expressão pejorativa ou vaga, como por exemplo, “drogado”.
A imputação falsa ou verdadeira de fato definido como contravenção penal implica em difamação e não calúnia.
É crime de forma livre e admite o emprego de qualquer meio idôneo a ofender a honra.
- OFENSA REAL: quando praticada com gestos, ESCRITA de toda sorte e verbal, incluindo-se as canções e ditados.
- IMPLÍCITA: quando a ofensa é irrogada de maneira sorrateira, mas visando ofender pessoa certa e determinada.
- INDIRETA OU REFLEXA: se ofende a honra de um terceiro envolvido no fato.
Classificação doutrinária: Crime comum, unissubjetivo, de atividade formal, de dano, de forma livre, instantâneo, em regra comissivo e excepcionalmente omissivo impróprio, plurissubsistente ou unissubsistente simples.
TIPO SUBJETIVO: É admitido o dolo direto ou indireto eventual, revelado pela vontade livre e consciente de difamar, imputar fato ofensivo à reputação alheia, ou de assumir o risco de fazê-lo. Não se admite a forma culposa.
Diferentemente do que ocorre na calúnia, é irrelevante que o agente saiba da falsidade ou que creia na veracidade do fato imputado.
Exige-se o animus calmo e refletido, não tipificando a conduta a ofensa em momento de ira durante discussão.
É indispensável o elemento subjetivo do tipo, especial intenção de ofender a honra, o chamado animus injuriandi vel diffamandi. É essencial que tenha a intenção de causar dano a honra alheia.
Consumação e tentativa: Consuma-se quando a imputação ofensiva torna-se conhecida de outrem, que não o sujeito passivo (quando chega a conhecimento de terceiros).
É possível a tentativa somente na modalidade escrita. Não de admite na forma verbal porque o crime se perfaz em um único ato.
Dirigida diretamente e exclusivamente à vítima a imputação ofensiva, a conduta se subsume no crime de injúria, que tutela a honra subjetiva, a dignidade pessoal.
Exceção da verdade: É uma forma de defesa indireta, apresentada preferencialmente no momento processual da resposta.
É permitida somente na hipótese da difamação propter officium, quando o ofendido é funcionário público e a ofensa é relativa ao exercício de suas funções.
O interesse em se permitir a exceção da verdade decorre da necessidade de se resguardar a idoneidade da administração pública através dos atos de seus funcionários.
Exceção de notoriedade: Diferentemente da exceção da verdade, que tem por escopo demonstrar a veracidade do alegado, a notoriedade, sempre permitida, visa demonstrar o desconhecimento da falsidade da imputação.
DEPOIS DE TUDO EU QUERO
Viver a vida
.a que me foi negada
Ter paz pra amar
sem nada que me impeça
Morar no alto
quase chegando aos céus
De uma montanha
moradia das águias
Me levantar
e admirar o extremo
Abrir a janela
respirando bem fundo
Ver lá do alto
algum amor tranquilo
A vida em queda livre
sem medo de cair
O trem passar
levando o viajante
Ler na varanda
meu ultimo poema
Curtir meu cão
saltando tão feliz
De amenidades
onde vejo surgir
paz sonhada
acontecendo agora
Me alimentar
da santa natureza
Ser bem feliz
na rede aconchegante
Num interiorzinho
onde  pretendo
Me sentir bem
no amor
Colhendo amoras
delicias de azeviche
Em companhia...
do amor que me promete
Num paraíso
ver apitando o trem
Braços macios
a me abraçar feliz
(EB) O POETA DAS ROSAS
(DC) DUETANTO   COM O POETA!
 Artista como poucas, mulher tal qual quase nenhuma. Amo-te.
Gerenciar
(EB)

quinta-feira, 17 de maio de 2018

skin caviar Le praine luxe eye lift cream

sábado, 7 de abril de 2018

LULADRÃO

QUANDO EM 1998 DENISE PARANÁ LANÇAVA EM SÃO PAULO, SEU LIVRO "O FILHO DO BRASIL" PELA EDITORA XAMÃ E NÃO POR COINCIDÊNCIA ESA MESMA EDITORA ONDE MEU FILHO MARCO ANTONIO DE ALVARENGA, (POETA) TRABALHAVA EDITAVA MEU LIVRO ORGASMO POÉTICO. ESSE FILHO DO BRASIL NÃO ERA OUTRO SENÃO O SR LUIZ INÁCIO (LULA) DA SILVA, INCANSÁVEL CANDIDATO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. DE CANDIDATO PASSOU À CHEFE DA NAÇÃO E AI COMEÇOU SUA TRAJETÓRIA DE CORRUPTO.
https://youtu.be/cXQU9aU3Gx4

sexta-feira, 6 de abril de 2018

sexta-feira, 30 de março de 2018

DIZ O POETA

Quem ama como eu amo nada exclui do ser amado. Pra quem ama assim, desse meu jeito, não importa que tenha sido ruim qualquer ventura, mas o simples fato de que tenha havido outrora qualquer mesma. Quem ama como eu espalha a rede sobre a amada. E qualquer coisa que se possa ter ofertado antes, quando sabido faz sofrer, porque quem ama como eu queria ser dono de todo o recordar do ser querido, não último ou primeiro, mas o único.
(EB) O POETA DAS ROSAS

do amigo evandro

Sou teu guerreiro com espada na mão
Em punho a enfrentar as agruras da vida
Teu poeta com sonhos, uns poucos e fortes
Um infante de guerra em nome do amor
A querer-te e lutando, se mantendo de pé
Pois, guerreiro que sou inda pulso, eu vivo
Em minha luta diária cumprindo a jornada
Pegando o alimento que insistes me dar
Essa luz de uma espera já não descabida
Batalhando o que somos e vivenciando
(EB) O POETA DAS ROSAS

sábado, 17 de março de 2018

TEXTO DO EV

Eu, na dança do tempo vou seguindo, lutando com o improvável, teimando com o impossível e crendo no que é utópico, só pra dizer que sou sonhador. Pois, de sonhos vive o poeta. É na utopia que vêm devaneios. No impossível é que se faz clemente, sem sequer perceber-se o improvável. E assim, sem pensar que inda posso, apenas seguindo eu vou, programado ou romanticamente embalado. Na dança do tempo esperando, envolvido e ébrio, apesar da razão, para ver o que Ele me diz nessa curva devida.
(EB) O POETA DAS ROSAS

terça-feira, 6 de março de 2018

DIA 07 DE MARÇO DE 2018... LI ISSO SOBRE MIM:

Ela é a inspiração encarnada. A rainha da poesia.

segunda-feira, 5 de março de 2018

BOM TEMPO! (EB)

Eu, se poeta não fosse, não sei o quê viria a ser, talvez um vivente de amores volúveis, conviva de mesas distintas de bares e cartas. Talvez um guerreiro de lutas em vão, quem sabe ao léu, inglória jamais. Mas quis o bom Deus que a ela encontrasse, ditando essa vida um doce reencontro. Agora eu não sei o quê digo a esse respeito, nem me fiz eu poeta, apenas as letras brotando bem vão. E faço poesia, ah, e luto ainda, mantendo-me forte ao dizer: Eu te amo. Sou apenas poeta, um homem que escreve, pensando e amando aguardando e escrevendo. Quem não sabendo o desfecho das coisas por não ter bola de cristal vive apenas que pedra que rolando bem vai caminhando.
(EB) O POETA DAS ROSAS

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

ERA ELA
Ainda creio na felicidade ao lado dela, pois, o que veio ter comigo e anuncia-la parecia Deus, numa noite iluminada e primaveril, quando senti uma magia a mim profetizar sua vinda. Fiquei feliz, armei-me de amor e de força para recebe-la. E era ela, o meu sonho de mulher ali, o meu presente, vestida do manto de um encanto que a mim cobriu como ninguém jamais fizera. Portanto, estou aqui a esperar a força definir o que por nós fará, depois da vida de prazer colhido nessa terra de labutas tantas, esse nosso enlace. Mãos estendidas, coração aberto nesse ver e viver, pra acatar o designar celeste e só dizer amém.
(EB) O POETA DAS ROSAS

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

"O INFERNO DE DANTE"
líder do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola
Leia a interessante entrevista com o líder do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola , ao jornal O Globo
Estamos todos no inferno. Não há solução, pois não conhecemos nem o problema
O GLOBO: Você é do PCC?
- Mais que isso, eu sou um sinal de novos tempos. Eu era pobre e invisível… vocês nunca me olharam durante décadas… E antigamente era mole resolver o problema da miséria… O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, ralas periferias… A solução é que nunca vinha… Que fizeram? Nada. O governo federal alguma vez alocou uma verba para nós? Nós só aparecíamos nos desabamentos no morro ou nas músicas românticas sobre a “beleza dos morros ao amanhecer”, essas coisas… Agora, estamos ricos com a multinacional do pó. E vocês estão morrendo de medo… Nós somos o início tardio de vossa consciência social… Viu? Sou culto… Leio Dante na prisão…
(O globo)

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

VASCULLARE Passos MG está  se sentindo muito feliz em RIT TV.

‼️Dr WILLIAN COSTA🌟🔥🔥Programa CONSULTA AO DOUTOR -AO VIVO‼️São Paulo
💡Dr WILLIAN💡 foi o entrevistado do programa para falar de doenças VASCULARES
#varizes#tratamento#compromisso
Dr. WILLIAN COSTA coordenador/fundador do serviço de cirurgia vascular/endovascular de Passos
Contato: Passos (35) 3413 3718 /988840080
Piumhi (37) 3412 2269/998034469.  (clasif. ÓTIMO)

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

IN NATURA

Que beleza é essa in natura, meu bem!
A prostrar-me, a me por nesse meu contemplar
Uma graça que enreda o meu ser totalmente
Quando juntos estamos, na cama também
E assim te vasculho o olhar que me atrai
Percebendo o aflorar de tuas rosas, a vida
Perturbando, excitando o que desencadeias
Em nós, meu amor, por olhar-te faminto
Minha beleza, a tua, pois simples eu sou
Referindo-me a ti, minha amada mulher
Que distante se embebe das muitas lembranças
Do farto querer que de nós jamais sai
(EB) O POETA DAS ROSAS

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Olhar pra ela é ver o espaço sideral, de toda forma linda que eu verifico. Seu olhar que bem cintila, um mar de estrelas, o cosmo, a via láctea que alcanço nela. Aos altos céus me leva no fitar a mim, com força a me chamar pra boca que me beija. No céu da sua mesma, em tudo isso orbito, girando em torno dela pra fazer amor. É o ver a musa ardente que é ela, Branca, é vê-la assim minha amada, minha mulher.
(EB) O POETA DAS ROSAS

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Obrigado pela imensa e mágica felicidade que vc me proporcionou aqui, minha amada. Só quero vc ao meu lado. Será sempre a única, pois pra mim só existe vc. Eu te amo demais e me reconheço em vc. (EB)

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

O que é Poesia




A palavra poesia pode ter vários significados. Segundo o dicionário Aurélio, alguns destes significados são:
-a arte de fazer obras literárias em versos;
-um dos gêneros da composição literária;
-conjunto das obras em versos feitas em um idioma;
-texto artístico curto, geralmente em versos;
-forma específica de se construir versos, típica de um autor, povo, época ou escola literária;
-inspiração;
-transcendentalidade das ideias;
-aquilo que desperta a sensação do belo.

Poesia é uma forma de expressão artística que usa as palavras como uma manifestação de beleza e estética na construção de textos; é o gênero literário lírico.
Na poesia, a imaginação do autor e a do leitor dependem uma da outra, para que a viagem poética aconteça.

Elementos da poesia

Estrofe
A estrofe é a divisão do texto poético; geralmente, há uma configuração específica para as estrofes de um poema, como mesmo número de versos, estrutura rítmica ou conteúdo. Porém, como toda forma de arte, não há regras rígidas e muitos autores constroem suas estrofes de forma irregular.

Classificação das estrofes
A classificação das estrofes é feita pelo critério de número de versos; começando pelo tipo de estrofe de apenas um verso até o de dez versos; estrofes com mais de dez versos são classificadas como irregulares.

Ritmo
Os versos de uma poesia podem conter um ritmo, que se faz através da alternância de sílabas tônicas e não tônicas seguindo uma regra estabelecida pelo próprio autor, de acordo com o efeito que ele queira provocar.
O ritmo de uma poesia é composto pela métrica e pela rima.
Existem poetas que não usam os artifícios da alternância da tonicidade de sílabas nem a rima na construção de seus versos; isso não significa que não haja ritmo, apenas que ele se faz por meio de outros recursos determinados pelo autor. Este tipo de rítmica recebe o nome de arritmia.

Metrificação
A metrificação é a contagem do número de sílabas poéticas de cada verso. A metrificação é feita a partir do parâmetro da sonoridade, não da simples separação de sílabas. Na metrificação, contam-se as sílabas poéticas de um verso até a última sílaba tônica (se a última sílaba de um verso for átona, ela não entrará na contagem). Se um verso terminar numa vogal átona e o verso seguinte começar por fonema de vogal, ocorre a junção das palavras, chamada de elisão.
Elisão é o que ocorre, por exemplo em “copo d’água”, em que uma vogal é suprimida da escrita ou do som de uma palavra, para facilitar a comunicação ou adequar a metrificação poética.

Versos
Cada “linha” em uma poesia é um verso; verso é a unidade que compõe a estrofe.
Os versos são divididos em sílabas poéticas (metrificação) e são, por isso, classificados, desde o verso de apenas uma sílaba poética até o de doze sílabas poéticas.
Quando os versos têm diferentes números de sílabas poéticas, são chamados de heterométricos. Quando todos os versos têm a mesma métrica, diz-se que são isométricos. Os versos isométricos mais comuns são:
-pentassílabos (chamados de redondilha menor);
-hexassílabos (chamados de heróico quebrado);
-heptassílabos (chamados de redondilha maior);
-decassílabos (chamados de medida nova);
-dodecassílabos (também chamados de alexandrinos).
Há poesias em que os versos não seguem nenhuma metrificação específica; são os chamados versos livres.

Rima
A rima é usada para acentuar e conectar os finais dos versos e/ou das estrofes. Podem seguir um esquema fixo ou livre; é um elemento que ajuda na composição da rítmica do poema, atribuindo-lhe musicalidade.
Há poesias que não têm rimas; é a chamada Poesia Branca ou Poesia Solta.
As rimas podem ser classificadas como:
-pobres – quando palavras de uma mesma classe gramatical são rimadas;
-ricas – quando as rimas são feitas com palavras de classes gramaticais diferentes;
-raras – quando se constroem rimas usando palavras menos comuns na língua;
-preciosas – formadas pela união de palavras ou por algum artifício gramatical;
-imperfeitas – rimas formadas por palavras homógrafas ou homofônicas.

Poesia portuguesa
Dentre os poetas portugueses mais famosos, encontramos:
-Alexandre Herculano;
-Almeida Garret;
-Antero de Quental;
-Fernando Pessoa;
-Florbela Espanca;
-José Saramago;
-Luís de Camões;
-Manuel Maria Barbosa Du Bocage.


Fernando Pessoa
poesia de Fernando Pessoa é uma das mais apreciadas do mundo, dentre os poetas do século XX. Fernando Pessoa se destacou pela multiplicidade de personalidades literárias que conseguia criar, escrevendo sob heterônimos; os mais famosos heterônimos de Fernando Pessoa foram:
-Ricardo Reis;
-Alberto Caeiro;
-Álvaro de Campos.

Poesia romântica
poesia do romantismo é marcada, em suas diferentes fases, pela expressão dos sentimentos do eu-lírico, pela exaltação da idealização amorosa, por um sentimento de constante busca da liberdade, pela valorização da nação; ainda como forma de desabafo diante do que foi chamado de mal do século, uma melancolia profunda.

Poesia de amor
Dentre os poetas que cantaram o amor no Brasil, pode-se destacar Vinícius de Moraes. Dentre os mais belos versos de amor, encontramos verdades belíssimas como:
-“Amo-te, enfim, com grande liberdade/Dentro da eternidade e a cada instante”
-“(...) o grande afeto que te deixo/(...)/É um sossego (...)/um transbordamento de carícias”
-“Encontrei em você a razão de viver/E de amar em paz/E não sofrer mais/Nunca mais”

Poesia de amizade
Vinícius de Moraes também se destaca como poeta dos poemas de amizade. São de sua autoria o “Soneto do amigo” e o “Soneto de separação”.

Poesia infantil
Na poesia infantil brasileira, um grande destaque é Cecília Meireles, com poemas como “A bailarina”, “Sonhos da menina”, “O mosquito escreve”, “A avó do menino”.
significado de Poesia está na categoria Geral

 
Amor não tem idade. Design by Exotic Mommie. Illustraion By DaPino